Uma questão de peso – como melhorar seu café gastando pouco

0
136

Quanto se fala dos acessórios indispensáveis ao preparo de café, a primeira recomendação ao iniciante costuma ser o moinho. De fato, um bom moedor qualifica o ritual cafeinado. Mas, pra quem não sabe, um bom moinho exige um bom investimento, especialmente em território tupiniquim, onde quase todos os acessórios de café são muito caros.

Entretanto, há um acessório de baixo que custo que é capaz de melhorar e muito a consistência do preparo diário do café. Esse acessório é tão comum que é capaz de ser encontrado em alguns hipermercados, ou até mesmo no camelódromo de Porto Alegre. Esse acessório chama-se balança.

A balança é tão importante porque a experiência sensorial do café depende muito da proporção entre café e água utilizados no preparo. Pequenas variações nessa razão podem ser sentidas com certa facilidade pelo paladar, influenciando na percepção de diversos compostos químicos presentes na bebida. O uso rotineiro da balança retira da equação a “receita” (podemos chamar de razão de preparo), de forma que podemos nos concentrar nos outros aspectos da preparação.

Embora seja possível dosar o café por volume (em colheradas, por exemplo), é importante ressaltar que, dependendo da origem do grão, do grau de torra e da granulometria do pó, a densidade do café pode variar bastante, de forma que essa não é melhor forma de dosagem. No que se refere a água, quando utilizada nos coados, a balança também nos dá o retorno do nosso ritmo de despejo, como também permite dividir precisamente o despejo em pulsos, deixando o preparo muito mais consistente.

Alguns aspectos práticos importantes na escolha da sua balança:
-a base deve ser grande o suficiente para equilibrar bem uma jarra de café (algumas balanças pequenas sofrem desse problema);
– a resolução da balança deve ser de no mínimo 1g (idealmente 0,1g, especialmente se for utilizada para espresso);
-a capacidade máxima da balança deve comportar toda a massa a ser depositada sobre ela, incluindo jarra, portafiltros, pó de café, água, etc;
-se a balança tiver função de auto-desligamento (praticamente todas tem), cuide para que o tempo não seja menor que o utilizado no preparo da bebida, ou você ficará às cegas;
-algumas balanças consomem muita bateria, evite-as.

Obviamente que há balanças específicas para o preparo de filtrados e espressos, à prova d’água, com timer embutido, tara automática, conexão bluetooth e muitas outras funcionalidades. Para o hobbista muitas vezes o apelo da compra passa por questões alheias à real necessidade, e é nesse anseio consumista que se baseiam a maioria dos gadgets de café que vemos aflorar nos dias de hoje. Não esqueça: à balança, basta pesar (ou medir, para os preciosistas)!