Uma brasileira estuda sobre café e saúde nos EUA

0
32

Além de saborosa, a bebida café resulta de uma complexa mistura de componentes químicos, presentes no grão de café. Dessa mistura, nasce um líquido muito apreciado e reconfortante, que também pode atuar como um fitoterápico, quando preparado com café de boa qualidade e consumido em doses moderadas – de 3 a 4 xícaras diárias.  Esse é o resultado de estudos sobre o tema realizados no Brasil e nos Estados Unidos – o país que mais consome café no mundo.

A farmacêutica carioca Roseane Maia Santos, fez seu mestrado em Farmacologia no Brasil, estudando o tema do café. Tornou-se seguidora do orientador Darcy Roberto Lima, médico gaúcho que foi muitos anos professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e uma das referências na pesquisa sobre café e saúde. Mais do que acompanhar a linha de pesquisa do orientador, Roseane tornou-se esposa de Darcy e da união nasceu o filho Cristiano.

Anos depois, mesmo divorciados, Roseane e Darcy mantiveram a parceria nos estudos sobre café e saúde. O cardiologista, falecido em 2015, contou com o apoio de Roseane em vários dos seus livros e artigos publicados. Um dos últimos artigos assinados em conjunto foi veiculado no European Journal of Nutrition, em 2016, sobre o consumo de café e a relação com obesidade e diabetes.

Roseane vive desde 1999 nos Estados Unidos, onde foi realizar seu doutoramento. Acabou fixando residência lá, lecionando em várias universidades americanas na Flórida, Georgia e, atualmente, no Arkansas, onde é professora no College of Health Education. Inicialmente, sua tese de doutorado teve como foco o estudo do genoma. “No início dos anos 2000, a pesquisa envolvendo genoma ainda estava em fase inicial e encontrei um campo muito promissor para estudos nesta área”, comenta a farmacêutica.

Com a experiência adquirida no doutorado, realizando testes genotípicos, e o conhecimento anterior do mestrado sobre o tema do café, foi possível unir os dois pontos. “Comecei a investigar alterações genéticas relacionadas ao consumo do café”, afirma.

Em 2005, ela se reaproximou do ex-marido e orientador para desenvolver novas pesquisas. O objetivo era avaliar consumidores de café no Brasil e nos Estados Unidos para verificar como os níveis de cafeína poderiam impedir acúmulo de glicose, beneficiando na prevenção da obesidade e diabetes. Mesmo com o falecimento de Darcy, a pesquisa segue em andamento, agora com a meta de investigar 20 mil norte-americanos.

Assim como Darcy foi uma referência na pesquisa brasileira sobre café e saúde, Roseane tornou-se uma autoridade nos Estados Unidos sobre o tema, com participação em eventos e publicações internacionais.

Além da atividade acadêmica, a pesquisadora também criou a consultoria Dr. Coffee, realizando um sonho antigo de oferecer pesquisa de ponta a empresas que busquem produzir e vender cafés mais saudáveis. Além de site Dr Coffee, também ativa um canal no Youtube com vídeos demonstrando resultados de suas pesquisas.

“O café é uma bebida mágica e a ciência ainda vai descobrir muitas coisas sobre o seu potencial benéfico para o organismo”, conclui Roseane.

O legado deixado por Darcy Roberto Lima

Em sua obra Café e Saúde, publicada com apoio da Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC) pela editora gaúcha Expansão, o médico Darcy Roberto Lima enfatiza em vários trechos o poder da bebida:

“Pesquisas modernas indicam que o consumo diário e moderado de café – 3 a 4 xícaras diárias – é benéfico ao cérebro, estimulando e modelando o prazer, melhorando o intelecto e combatendo doenças da mente e do corpo”

“Mais do que qualquer fruta ou legume, o café pode prevenir a apatia infantil, melhorar o aprendizado escolar, prevenir a obesidade, a diabetes do adulto, a depressão/suicídio, o alcoolismo/cirrose, doenças cardíacas, demência, doença de Parkinson e Alzheimer, vários tipos de câncer, dentre muitas outras”

“É importante lembrar que o café não é remédio, isto é, não cura doenças, mas pode ser um agente a mais que ajuda na prevenção de várias doenças e problemas”

Agradecemos à querida artista e cafeicultora Valéria Vidigal que nos sugeriu essa pauta e nos passou o contato de Roseane e da editora Expansão. Conexões que o café promove. O café é mesmo uma bebida mágica.