Piccolino: calçada colorida de café e arte

0
39

Caminhando pela Rua Félix da Cunha, nas proximidades da Praça Doutor Maurício Cardoso, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, o pedestre avista um antigo casario. São oito sobrados geminados, construídos na década de 1930, com projeto do arquiteto tcheco Egon Weindorfer, com forte influência estética das casas britânicas e do art decó. Tombados pelo município de Porto Alegre nos anos 1990, o casario reúne hoje escritórios e lojas de vários segmentos.

Em meio a este cenário, está o Piccolino Café e Gastronomia, uma simpática e pequena cafeteria que lembra um bistrô francês, com um espaço interno bem pequeno e mesas na calçada. Mesmo estando em uma via de grande movimento, Piccolino guarda um ar provençal peculiar. Impossível passar por ali e não sentir vontade de sentar para tomar um café, comer uma fatia de torta, ler um jornal e relaxar.

Os proprietários Juliana Modetti Canellas e Eduardo Lattes de Mattos Vellani abriram o Piccolino em 2015 (antes o espaço já abrigava uma cafeteria com outro nome). Aos poucos, nestes últimos 5 anos, os novos donos foram trazendo arte para as paredes, música em momentos especiais e incorporando novidades no cardápio. “Nosso foco sempre foi trazer vida e colorido à calçada do casario da Félix”, comenta Juliana.

Cenário perfeito

Este colorido da calçada já produziu cenas muito bonitas. Desde um momento de mesas cheias, com gente alegre, confraternizando, na primavera, até a cena de um solitário café para acompanhar a leitura de um jornal, em uma tarde de inverno.

O jornalista Gustavo Machado é um dos frequentadores assíduos do Piccolino. Caminhando pela calçada do casario em uma tarde do inverno de 2019, ele viu a cena abaixo e a considerou plasticamente bonita para uma foto. “Era uma cena de solidão urbana. E dos remédios que se buscam para aplacá-la ou pelo menos despistá-la”, comenta Gustavo. A foto foi publicada em seu Instagram e repostada pelo Piccolino.

Um ano se passou, a pandemia chegou e com ela a restrição das mesas na calçada (pelo menos por enquanto). O Café Combustível publicou a foto em seu Instagram, por considerá-la simbólica, ao ilustrar um momento intimista de pausa para um café.

E não é que lá em Vitória da Conquista, na Bahia, a artista Valéria Vidigal, que pinta temas relacionados ao café, viu a foto, se apaixonou e quis transformá-la em quadro? A arte de Valéria já foi apresentada a vocês aqui no nosso site – clique aqui. De família de cafeicultores, os quadros de Valéria traduzem cenas que vão dos cafezais à xícara.

Café Combustível fez a “ponte” entre a artista, os donos do Piccolino e o autor da foto original. Ficamos muito felizes pela oportunidade de unir os pontos para mostrar essa simpática cafeteria de Porto Alegre, sob a forma de arte, para brasileiros de outras regiões. E o resultado está aí.

Do olhar sensível do jornalista Gustavo Machado às mãos talentosas de Valéria Vidigal. Café é arte. Café é conexão. Café é combustível, em todos os momentos do nosso cotidiano.