Café brasileiro em destaque

0
333

Focar a promoção comercial dos cafés especiais brasileiros no mercado externo e reforçar a imagem dos produtos nacionais em todo o mundo, posicionando o Brasil como fornecedor de alta qualidade, com utilização de tecnologia de ponta decorrente de pesquisas realizadas no país. Esse é o objetivo do projeto setorial Brazil – the coffee nation, que teve renovação por mais dois anos firmada no último dia 25, pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em São Paulo (SP), no Il Barista Cafés Especiais.

O projeto busca fomentar o segmento de cafés especiais do país, ampliando os números em todos os elos da cadeia produtiva. Também é fundamental salientar a fixação da “origem Brasil” já que o país domina o mercado de café há 200 anos, mas não tem uma identidade estabelecida própria.

A partir deste projeto, a produção de café brasileiro cresceu, em média, 15%, chegando a aproximadamente 8,5 milhões de sacas em 2017. O consumo interno de cafés especiais teve crescimento anual de 21% de 2012 a 2017, o equivalente a 592 mil sacas. Nesse mesmo período, em valores, o avanço foi de 23% ao ano. Nas exportações, o resultado é ainda mais expressivo, com o registro de um crescimento de 600% na receita com os embarques de cafés especiais desde a implantação do projeto, que chegou a US$ 2 bilhões em 2017, sendo remetidas 7,7 milhões de sacas ao exterior. O número de países-destino das exportações mais do que dobrou, saltando de 40, em 2012, por exemplo, para 93 no ano passado, assim como a quantidade de empresas apoiadas pelo projeto subiu de 123, em 2012, para 170 em 2017.

A nova fase do projeto tem atenção aos mercados asiáticos, principalmente a China, mas também contempla países como Alemanha, Austrália, Canadá, Estados Unidos, Itália, Noruega, Nova Zelândia, Polônia, Reino Unido, Rússia, Taiwan (Formosa) e Turquia para os cafés crus especiais; Argentina e Estados Unidos para os produtos da indústria de torrefação e moagem.


Fonte: Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA)